Richelle Mead - A Canção do Súcubo

A Canção do SúcuboTítulo original: Succubus Blues
Editora: Essência
Páginas: 304
Avaliação: 

Quando se fala de empregos no inferno, ser um Súcubo parece bastante glamouroso. Uma garota pode ser qualquer coisa que ela quiser, o guarda-roupa é de matar e homens mortais farão qualquer coisa por apenas um toque. Claro, eles geralmente pagam com suas almas, mas por que ser tão técnico? Mas a vida da Súcubo de Seattle Georgina Kincaid é muito menos exótica. Seu chefe é um demônio de médio escalão com uma queda por filmes do John Cusack. Seus melhores amigos imortais (ou melhores amigas...) ainda não pararam de provocá-la por causa da vez em que ela se transformou na Deusa Demônio, completa, com chicote e asas. E ela não consegue ter um encontro decente sem sugar parte da vida do cara. Ao menos ela tem seu emprego diário em uma livraria local - livros de graça, todos os mochas de chocolate branco que ela conseguir tomar, e acesso fácil ao sexy escritor de bestsellers, Seth Mortensen, aka Aquele por Quem Ela Daria Tudo Para Tocar mas Não Pode. Mas os sonhos sobre Seth vão ter que esperar. Algo estranho está acontecendo no submundo demônio de Seattle. E, dessa vez, todos os seus charmes e cantadas de cair morto não vão ajudá-la porque Georgina está para descobrir que há algumas criaturas que tanto Céu quanto o Inferno querem negar...

A Guerra dos Tronos ainda vai demorar séculos para acabar, então, enquanto isso, vou dar um up nas coisas aqui com resenhas de livros que já li e gostei de verdade. O primeiro da extensa lista é o capítulo original da saga Georgina Kincaid, da prestigiada autora Richelle Mead, dona da poderosa saga literária Academia de Vampiros. Conheço várias pessoas da vida real e também das redes sociais, como Skoob e Orkut, que abandonaram a leitura, e não consigo entender o motivo! Bem, antes de qualquer outra coisa, vamos à história:
Georgina Kincaid é um Súcubo.
Transformada pelo Diabo em tal criatura desde tempos imemoriais, Georgina têm como trabalho corromper almas inocentes através do sexo e, assim, retirando sua força vital, que mantém inclusive sua imortalidade, das mesmas. O interessante nessa personagem é que ela nunca teve "sorte no amor". Principalmente porque não pode amar. Mas não por ter se tornado uma criatura desumana. Não. Lembram da parte do sexo? Então... Sexo é a base do relacionamento, e se Georgina não pode "cair de boca" sem matar seu parceiro, as coisas ficam meio difíceis, não? Rsrs...
E nossa Georgie só encontrará em seu futuro um coração partido quando Seth Mortensen, seu autor favorito, surgir do nada na livraria onde é sub-gerente para dar uma palestra e autógrafos. Ela descobre que Seth ficará permanentemente em Seattle, e assim os dois se aproximam. E é claro que Georgina tentará de tudo para empurrar Seth e suas duas mãos para longe dela, mas a atração física será maior, e apenas sua consciência será capaz de impedi-la de matar o homem que ama. Afinal, o pobre coitado não sabe de nada!
O que me chamou a atenção no livro, inicialmente, foi o fato da autora ser a mesma de Vampire Academy, que é simplesmente uma das melhores séries YA existentes no mercado literário atual. Eu sequer li uma sinopse antes de começar! Pra vocês verem como Richelle Mead é digna de nossa confiança... E eu não me decepcionei. A série Georgina Kincaid pode não ser tudo o que Academia de Vampiros é, mas de alguma forma consegue ser um pouco disso e, ao mesmo tempo, criar identidade própria. A história da mulher que tenta desesperadamente correr do homem que ama e anseia mais que tudo nesse mundo (estranho, não?) de alguma forma consegue ser cativante e original, fugindo dos clichês adolescentes atuais e apresentando uma obra adulta (...) e, ao mesmo tempo, capaz de lhe introduzir o medo em alguns pontos e também a sedução, mesmo que por personagens literários. O fim pode decepcioná-lo um pouco, mas pela grande massa estar acostumada aos finais felizes. As coisas não terminam de todo ruins, mas, de alguma forma, terminam...
Vou logo avisando que GK não é como Gossip Girl, Pretty Little Liars, House of Night, a própria Academia de Vampiros ou qualquer outra série inocente que você possa imaginar... Temos aqui cenas bastante quentes, até mesmo mais que na série A Irmandade da Adaga Negra...
Preciso falar mais???
Acho que sim. Mas não com relação à isso, e sim sobre a quantidade de volumes da série. Se você vai encará-la, não tenha medo. São apenas 6 volumes, e não 21 como outras sagas inacreditáveis que circulam por aí.

4 comentários:

ana maria disse...

Haha senti uma indireta pra Anita Blake no final HAUSHAUHSUAHUA, não creio que você fez a resenha de um dos meus livros favoritos de todos os tempos *-* a melhor série da Richelle Mead, de fato! ♥

Teu blog tá ótimo, muito perfeito e eu realmente ameis as dicas de música :)Continue assim!

Sabrina Brochetto disse...

Essa série é perfeitaa..
Aguardando aqui ansiosa o término da tradução doúltimo livro, o Succubus Revealed *-*

Vinícius Costa disse...

Ana, obrigado.
E Sabrina, quem não está esperando??? Rsrs.
VDC

Fernanda disse...

AAah gente já li, em inglês mesmo, nem aguentei a espera HAUSHAUSHUA muito perfeito, vocês vão amar! Bom, só vão ficar um pouquinho revolts no fim, mas é a vida...
E de nada
Ps: é a ana ainda, usando a conta da minha irma e-e