Lauren Oliver - Antes Que Eu Vá

Antes Que Eu VáTítulo: Antes Que Eu Vá
Autor(a): Lauren Oliver
Editora: Intrínseca
Gênero: Infanto-Juvenil
Nº de Páginas: 358

Ano: 2011
Avaliação: 
Skoob

Samantha Kingston tem tudo: o namorado mais cobiçado do universo, três amigas fantásticas e todos os privilégios no Thomas Jefferson, o colégio que frequenta - da melhor mesa do refeitório à vaga mais bem-posicionada do estacionamento. Aquela sexta-feira, 12 de fevereiro, deveria ser apenas mais um dia de sua vida mágica e perfeita. Em vez disso, acaba sendo o último. Mas ela ganha uma segunda chance. Sete "segundas chances", na verdade. E, ao reviver aquele dia vezes seguidas, Samantha desvenda o mistério que envolve sua morte - descobrindo, enfim, o verdadeiro valor de tudo o que está prestes a perder...

Antes Que Eu Vá, ou Before I Fall (Antes Que Eu Me Apaixone, em tradução livre), é um livro voltado para o público infanto-juvenil lançado em 2010 (2011 aqui no Brasil), da autora iniciante Lauren Oliver. Eu vi o título numa livraria aqui da minha cidade (isso já têm algum tempinho), e resolvi logo adquiri-lo, mesmo tendo a versão do e-Book baixada. E porquê fiz isso, o que raramente faço? Digamos que a sinopse foi um ponto decisivo na escolha final. Não gostei da capa. Achei ela feia. O tema do livro podia gera milhões e milhões de possibilidades para a arte, mas ambas as editoras (a original e a Intrínseca, aqui no Brasil), optaram por mostrar essa modelo sem-graça aí, e no que parece ser um campo de trigo (?). A história se passa no inverno (tudo bem, pós-inverno), mas eu realmente não entendi isso, não!! Com relação ao enredo, Antes Que Eu Vá conta a reflexiva história de Samantha Kingston, garota popular que têm tudo: desde a melhor vaga no estacionamento até o cara mais bonito do colégio. E o dia 12 de fevereiro, uma sexta-feira, era para ser apenas um como todos os outros, a não ser que, após voltar de uma festa com suas amigas, Sam sofre um acidente automobilístico... E acorda em sua cama no dia seguinte. E, esperem, correção: dia seguinte? Não, não. Ainda é 12 de fevereiro. Parece que a Sam realmente morreu, mas está sendo forçada a reviver este trágico dia por uma semana inteira, o que a faz ficar presa em um aparentemente eterno e, literalmente, mortal Hoje. E parece que a Sam pode estar finalmente se apaixonando. E não pelo cara mais bonito do colégio, que convêm também de ser seu namorado, mas por um velho amigo de infância... Só que seu tempo na terra está se acabando. Lembram do que eu disse sobre os sete dias? E o que antes se mostrara uma brincadeira cruel do Universo transforma-se em uma avaliação de valores e atos que a protagonista praticou em vida, como maltratar pessoas de classe "inferior" em sua escola, como a esquisitona Juliet Sykes, por motivo nenhum, e praticamente agir como a princesinha de toda a Thomas Jefferson ao lado de suas melhores amigas, Lindsay, Ally e Elody. Ao longo da trajetória do livro, Samantha cresce e enxerga as coisas por outro lado... Bem, sendo forçada a reviver o dia de sua morte por toda uma semana apenas para reparar os erros provocados em vida, não era de se esperar outra coisa da pobrezinha, não? E, mesmo com Samantha e as amigas sendo verdadeiras - desculpem-me o palavreado - cadelas, ao menos antes da coisa toda acontecer, eu me simpatiza com todas! A Lindsay, além de cabeça do grupo, é o humor em pessoa, e Ally e Elody são as duas "influenciadas", mas ainda assim têm seus momentos, bem como Sam! A narrativa é em primeira pessoa, e, embora seja repetitivo para o próprio leitor ler o mesmo dia sete vezes, é legal ao mesmo tempo: você sabe o que irá acontecer, mas não qual será a próxima reação de Sam, que muda todo dia, à medida que ela vê os outros de uma forma que não tinha visto antes e experimenta outros lados da vida, como o amor por seu amigo de infância, Kent McFuller. E para quem pensou que há um triângulo amoroso, errado! A Sam pensa amar Rob, o namorado, mas de repente enxerga sua verdadeira faceta: um garoto bêbado e babaca que só está com ela para tirar-lhe a virgindade, e, quando descobre seu amor por Kent, parece já ser tarde demais... Mas a Sam não está revivendo o 12 de fevereiro apenas para corrigir suas trapalhadas. Ela também está ali para descobrir o real motivo de sua morte no acidente automobilístico. Digo, não foi assassinato, mas, de certa forma, teve um dedo da "esquisitona" maltratada pelo grupo das populares, Juliet Sykes. Bem, não só um dedo, mas o corpo todo. Para entender isso, você terá de ler o livro!! A única coisa ruim em toda a obra, além da coisa de ter de ler os mesmos acontecimentos o tempo todo, é o eterno mal-estar da Sam. Digo, uma hora ela está com dor de cabeça e prestes a vomitar, outra acamada, por depressão devido ao que está acontecendo à mesma, e também bêbada e chapadona em certos momentos (tudo bem, quase todos!), para afogar as mágoas. Mas as voltas dessa montanha-russa dão melhores loops (eu sei, essa foi horrível, rsrs), quando Sam passa a verdadeiramente ver Kent McFuller. E, românticos de plantão, esqueçam Edward Cullen e Bella Swan, Elena Gilbert e Stefan (ou Damon? rsrs) Salvatore e Rose Hathaway e Dimitri Belikov! Sam Kingston e Kent McFuller é o que há! Nada de meloso, nada de flertes provocatórios, apenas boas e comoventes conversas que se transformam em algo a mais... E é claro que não há uma sequência! Afinal, a Samantha está realmente morta!

3 comentários:

J Araújo disse...

Gostei muito do blog, mesmo não te conhecendo tomei a liberdade de passar aqui para te desejar um ano abençoado cheio de realizações.

Acredito na força do perdão ,da gratidão e do amor.

Tambem sei que somos todos irmãos.
Uma parte de min aínda teima em agir de modo diferente de tudo aquilo que acredito

Mas eu não desisto, prosseguirei ...
Ano novo ,novos votos e metas.
Abraço !
Força !!!! só mais um pouquinho... não pára.... vamos conseguir...

VDC disse...

(...)
Feliz ano novo pra você também, J Araújo!

Anônimo disse...

Tá bom, né... (???)
:S
feliz 2012 atrasado, aê!
bjs
Ana